Ensaio : Texto literário breve , entre o poético e o didático , expondo idéias , críticas e reflexões morais e/ou filosóficas acerca de certo tema. Defesa de um ponto de vista pessoal e subjetivo sobre um tema , sem que se paute em formalidades como documentos ou provas empíricas ou dedutivas.
Manifesto : Declaração publica de razões que justifiquem certos atos ou fundamentos. Ato de manifestar um desejo , atitude ou repúdio.

O Blog é aberto a todos que quiserem participar. Envie o seu ensaio ou manifesto para ensaiosemanifestos@hotmail.com , não há restrições quanto a temas ou conteúdo , desde que tenha qualidade será publicado , com o nome do autor responsável e um endereço de e-mail para contato. Se preferir participe opinando : adore , deteste , apedreje ou insense.


quarta-feira, 9 de março de 2011

As origens religiosas da misoginia e os seus ecos contemporâneos



Por : Lord Vader

A sociedade ocidental é misógina . Seja ocupando os menores cargos de uma empresa , relegada ao ostracismo , ou mesmo figurando como um produto na capa da Playboy onde ostenta uma falsa idéia de poder ; Não importa : a mulher está na periferia de uma sociedade falocêntrica , à sombra de um mundo dominado pelo gênero masculino , e via de regra ocupando o papel que a eles melhor interessar , seja este papel o de uma bedel subalterna ou o de uma glamourosa vedete que lhe satisfaça os desejos , mas sempre  aos seus pés , em um degrau inferior . Heidegger afirmou que toda sociedade ocidental , inclusive o distante eco de nossos tristes trópicos , partilha de uma mesma tradição que herdamos da sociedade medieval , e são estes traços que nos movem para o nosso próprio entendimento .

Na idade média a maioria dos conceitos e idéias acerca das mulheres foram elaboradas pelos escolásticos (aqui abro um pequeno parêntese de desagravo à todos os escolásticos) . Sendo assim , os textos que muito raramente tratam do tema mulher estão impregnados da aversão dos religiosos , homens da igreja que certamente viviam à distância delas. Muitos clérigos consideravam-nas misteriosas , não as compreendiam . Os textos estão impregnados de uma forte carga misógina clerical , onde a mulher é considerada um ser muito próximo da carne e dos sentidos , uma pecadora em potencial , naturalmente atraída pelo vício , portadoras e disseminadoras do mal . A principal preocupação dos clérigos para com elas era mantê-las virgens , e como seres demoníacos que eram , o mais longe possível dos mesmos , já que eram não apenas a causa mas também o objeto do pecado. Essa falta de conhecimento da natureza feminina causava medo aos homens , e criou-se uma interessante pedagogia de salvação da mulher a partir de três modelos bíblicos que trazem em si todo o papel civilizador e moralizador desempenhado pela igreja católica :

Eva : Era um excelente exemplo para ligar a mulher à corporieidade e inferiorizá-la . Responsável pelo pecado original e pela queda do homem (humanidade) , dominada pelos sentidos e pelos desejos da carne , traz em si todos os vícios simbólicos da feminilidade - Luxuria , sensualidade , gula .

A Virgem Maria : Tinha o papel de redentora de Eva , que veio ao mundo com a missão de libertá-la da maldição da queda. Surgiu a idéia de Maria como a mãe da humanidade , de todos os homens e mulheres que viviam na graça de Deus. (Na verdade Maria representa um interessante arquétipo muito arcaico dentro da mente humana , que foi ocupado anteriormente pela deusa Atena , mais remotamente por Afrodite , deusas da fertilidade , e nos primórdios pela grande deusa-mãe terra).
Porém , a virgem Maria era um ideal superior a ser seguido , mas efetivamente inatingível pelas mulheres comuns. Assim surge um terceiro e definitivo modelo , a da Madalena arrependida.


Maria Madalena : A pecadora arrependida , demonstrando que é possível à todas que abandonem uma vida cheia de pecados , seguindo o seu mestre até o calvário , podem assim chegar à Deus..




Essa concepção de mulher construída através dos séculos permitiu a manutenção dos homens no poder e legitimou a eles a submissão da ordem estabelecida . Esta construção começou a ruir apenas em meados do século XX , com o advento dos movimentos civís de libertação da mulher , porém , ainda têm seus alicerces firmemente fincados em nossa sociedade . O controle exercido pelos homens se transforma com o tempo , e as estratégias de dominação são produtos da cultura de cada tempo . Assim , na idade média , ocultava-se e negava-se o corpo da mulher . Hoje este corpo é belo e publicamente exibido como um troféu , como um caro objeto de consumo . Seja negando-o ou idolatrando-o , o que se busca é incutir um certo tipo de comportamento ao sexo feminino , mas sempre determinado pelo homem .

Além disso , dois mil anos de impregnação judaico-cristã no pensamento ocidental criaram em muitas mulheres , independente de classes sociais , uma identificação de seu corpo , de sua natureza , de sua sexualidade e de sua afetividade com tudo que é imundo , vergonhoso , pecaminoso , secreto , proibido , errado e misterioso. Completamente em desacordo com o natural , singelo , racional e evolutivo . Viva as mulheres !

Lord Vader
ensaiosemanifestos@hotmail.com


3 comentários:

  1. Caro amigo, parabéns pelo blog, é muito bom, continue nesta mesma linha.
    Daniel Brandão.
    http://danbrandao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Lord Vader !
    Excelente dissertação a cerca da pedagogia de salvação da mulher e sua construção ao longo dos séculos.
    Falocêntrica, misógina, concordo. Não concordo com essa visão ultra feminista de que as mulheres têm que se igualar aos homens. Somos diferentes. Naturalmente.

    Viva as mulheres por serem mulheres !

    ResponderExcluir
  3. A luta continua e é necessária... mas conservem esse modo de ser feminino que é um encanto!

    ResponderExcluir